Skip to main content

A interoperabilidade de sistemas é um conceito-chave no mundo da tecnologia da informação, referindo-se à capacidade de diferentes sistemas e organizações trabalharem juntos de forma eficiente. 

Ou seja, compreendê-la é crucial, pois ela permite que sistemas distintos comuniquem-se e compartilhem informações sem obstáculos, otimizando processos e melhorando a coordenação. 

Aliás, as vantagens dessa integração vão desde a economia de tempo e recursos até a inovação e colaboração aprimoradas entre diferentes entidades. 

Afinal, à medida que avançamos para uma era cada vez mais digitalizada, a interoperabilidade na saúde torna-se ainda mais essencial, oferecendo soluções para um espectro amplo de desafios tecnológicos. 

Por isso, este artigo irá mostrar a importância da interoperabilidade entre sistemas, destacando como ela pode transformar a maneira como interagimos com a tecnologia. Acompanhe!

O que é interoperabilidade entre sistemas?

Interoperabilidade entre sistemas é a capacidade que diferentes sistemas computacionais têm de se comunicar e cooperar de maneira eficaz, trocando dados e serviços entre si, mesmo que sejam construídos por diferentes fabricantes, operem sobre diferentes plataformas ou sigam diferentes padrões. 

Essa conectividade permite que organizações diversas integrem suas operações, criando um ambiente de trabalho mais coeso e eficiente. Aliás, ao longo dos anos, a interoperabilidade evoluiu significativamente, acompanhando o crescimento da tecnologia da informação. 

Afinal, o que começou como simples trocas de informações através de formatos padronizados, como o EDI, transformou-se em sistemas complexos que utilizam a Internet, APIs e protocolos de comunicação avançados para permitir uma interação quase que instantânea e transparente. 

Ou seja, essa evolução contínua da interoperabilidade é fundamental para suportar a inovação e o desenvolvimento tecnológico, possibilitando novas maneiras de operar e colaborar.

Quais os níveis de interoperabilidade entre sistemas?

A interoperabilidade entre sistemas pode ser dividida em diferentes níveis, cada um abordando aspectos distintos da integração e comunicação entre sistemas. Por isso, compreender esses níveis é fundamental para implementar soluções eficazes de interoperabilidade.

Interoperabilidade de sistemas básica 

A interoperabilidade de sistemas básica é a fundação para a troca de informações entre sistemas distintos. Neste nível, compartilham-se os dados através de uma rede, mas não há um entendimento mútuo ou interpretação automática dos dados. 

Geralmente, a intervenção humana é necessária para interpretar e processar as informações recebidas, como ocorre na entrada manual de dados. 

Ou seja, este nível de interoperabilidade é essencial, porém limitado, pois depende significativamente do esforço humano para a efetiva comunicação entre sistemas.

Interoperabilidade técnica 

A interoperabilidade técnica, ou estrutural, avança um passo além, estabelecendo um formato de dados comum que pode ser automaticamente interpretado por diferentes sistemas. 

Isso é alcançado através da padronização de estruturas de dados, como o uso do HL7 FHIR no setor de saúde. Permite-se, assim, a troca e a compreensão das informações, utilizadas sem a necessidade de intervenção manual, facilitando a interoperabilidade e o processamento de dados.

Interoperabilidade semântica 

interoperabilidade de sistemas 1

A interoperabilidade semântica representa um nível avançado de integração, onde diferentes sistemas não apenas trocam dados, mas também compartilham o mesmo entendimento conceitual desses dados. 

Isso significa que as informações são acompanhadas de contextos claros, eliminando ambiguidades e permitindo que os sistemas interpretem os dados de forma inequívoca. 

Esse nível de interoperabilidade garante que o significado dos dados seja preservado e compreendido uniformemente por todos os sistemas envolvidos.

Interoperabilidade organizativa ou pragmática 

A interoperabilidade organizativa ou pragmática abrange a adaptação e cooperação entre diferentes organizações e seus respectivos processos e objetivos. 

Esse nível foca na harmonização das operações e estratégias, permitindo que entidades com métodos de trabalho distintos alinhem suas funcionalidades e políticas para trabalhar de forma coesa. 

A interoperabilidade organizativa é crucial para a colaboração efetiva entre organizações, facilitando a integração de processos e a consecução de objetivos comuns.

Vantagens da interoperabilidade entre sistemas

A interoperabilidade entre sistemas é um catalisador para o aprimoramento de operações em diversas indústrias. 

Ao integrar diferentes sistemas, as organizações desfrutam de uma série de benefícios que impulsionam sua produtividade e capacidade de inovação. Abaixo estão algumas das vantagens mais significativas:

  • Aumento da eficiência operacional: Com sistemas capazes de se comunicar eficientemente, o fluxo de trabalho é otimizado, reduzindo redundâncias e permitindo que as tarefas sejam completadas mais rapidamente e com menos erros;
  • Melhoria na comunicação de dados: A troca de informações torna-se mais fluida e precisa. Isso não apenas melhora a qualidade dos dados, mas também facilita o processo de tomada de decisão com base em informações mais confiáveis;
  • Facilitação da inovação: elimina barreiras tecnológicas, permitindo que novas soluções e serviços sejam desenvolvidos com maior facilidade, levando a avanços significativos em produtos, serviços e modelos de negócios.

Casos de uso da interoperabilidade entre sistemas

A interoperabilidade do sistema é essencial em um ambiente em evolução digital, em que as organizações buscam insights dos dados para empoderar decisões e alcançar o sucesso operacional. 

Em seguida, compartilhamos como a interoperabilidade do sistema afeta positivamente vários setores. Veja alguns exemplos abaixo!

Saúde

As instituições médicas dependem cada vez mais de dispositivos médicos e sistemas de saúde interconectados para coletar, compartilhar e analisar dados de saúde. 

Esses sistemas conectados à rede transferem registros prontuários médicos eletrônicos, resultados médicos, pedidos de seguro e outras informações médicas em diferentes departamentos de saúde. 

A interoperabilidade da área de saúde permite que os profissionais de saúde colaborem para obter melhores resultados para os pacientes com dados rápidos e confiáveis.

Governo 

A interoperabilidade favorece abordagens administrativas sustentáveis que os governos adotam para melhorar a prestação de serviços públicos.

Ela permite que vários ministérios e departamentos implementem políticas baseadas em dados por meio de soluções de eGovernment ou iniciativas semelhantes. 

A aplicação de uma estrutura compartilhada de intercâmbio de dados também aprimora a colaboração governamental ao superar as barreiras linguísticas.

Desenvolvimento de software

Os desenvolvedores de software usam o princípio da interoperabilidade para permitir que aplicações de software criadas com diferentes estruturas de programação interajam perfeitamente. 

Eles podem criar softwares ou microsserviços que trocam dados em tempo real sem middleware ou codificação adicionais. Inclusive, por meio de softwares interoperáveis, seus usuários finais podem gerenciar tarefas diárias a partir de uma única fonte de dados.

interoperabilidade de sistemas 2

Implementando a interoperabilidade entre sistemas com a CTC

A interoperabilidade de sistemas é um pilar fundamental para a eficiência e eficácia em diversos setores, incluindo saúde, governo e engenharia de software. 

Contudo, com a CTC e sua plataforma Fastcomm, baseada em HL7 FHIR e projetada para a nuvem, a implementação da interoperabilidade torna-se mais acessível e segura. 

Afinal, através de uma interface low-code, a plataforma permite uma rápida implantação e facilita a gestão do mapeamento de dados. 

Portanto, preencha o formulário e solicite uma demonstração gratuita, e veja como a CTC pode ajudar a conectar seu ecossistema de saúde de maneira padronizada, garantindo que os dados estejam sempre ao alcance quando necessário.

Gostou do conteúdo? Então, continue acompanhando o Blog da CTC!